Momento Oprah: seja você mesma, dane-se o seu peso!


Faça como Audrey: ela foi criticada por ser magra de mais, mas bateu o pé para valorizarem sua imagem como era!

Seres humanos são tão facilmente reprimidos por paranóias coletivas que se tornam pessoais, não é mesmo? Por exemplo, o mito da magreza. O mito do corpo perfeito. Quantos problemas as pessoas criam por causa de padrões de beleza? Não é papo de dissertação de colégio não, é sério! Além das coisas seríssimas como distúrbios alimentares, quem já não ficou magoado por causa de algum comentário maldoso sobre sua aparência física?

Já comentei aqui uma vez, que senti uma super hostilidade, principalmente das mulheres, quando emagreci. A diferença minha de 10 kg acima pra agora é que muitas vezes tenho que ouvir comentários bem hostis por causa da magreza. Vale lembrar que eu não quis emagrecer, eu nem mesmo percebi que estava emagrecendo. Porque mesmo quando vestia 44, eu não me importava com isso.

O fato de eu ter problemas com espinhas, por exemplo, me preocupava muito mais (até porque esse é outro aspecto que as pessoas sempre nos lembram. O que eu já ouvi de “nossa, olha seu rosto!”… E a resposta era a mesma: “poxa, obrigada por avisar, os espelhos lá de casa quebraram todos…”). E espinhas, ao contrário da maioria dos casos de obesidade, não têm jeito, por mais diciplinado que você seja para fazer o tratamento certo, por mais coisas mirabolantes que te mandam fazer, por mais doses de Roacutan que você tome, às vezes elas não vão embora!

Parece que é um ultraje ser magra. O mais engraçado é que essas pessoas que comentam sobre meus ossos aparentes acham muita falta de educação chamar uma amiga de gorda (o que eu concordo, mas acho que qualquer comentário pejorativo sobre alguém é falta de educação). Sei que não se compara à hostilidade que as pessoas gordas sofrem, mas qualquer tipo de preconceito e comentário maldoso é ruim!

O que eu sinto é que mulheres que são encucadas com o próprio peso perdem até noções da boa educação e da amizade se a amiga não tem esse problema! (E a tal amiga magra pode ter outro tipo de problema – como a própria magreza – e ter que ficar calada, se sentindo culpada porque a maioria do mundo é gordinho!)

Entretanto, não dou muito ouvido ao coro geral e não mudaria muita coisa no meu corpo… Não porque acho perfeito, mas não vai ser ele que vai determinar as minhas conquistas na vida. A saúde dele sim, mas essa eu descuido mesmo. Um dia vou pagar. Mas a aparência…


Girafa, magrela, Olivia Palito. Mas com ou sem meus ossinhos, eu sou legal!

Ok, vou ser mais ilustrativa. Duas amigas com corpos saudáveis e bonitos, bem ao gosto dos homens brasileiros, carnes no lugar, com namorados ótimos e que as amam muito, tratam muito bem, bem amadas mesmo, duas são noivas, inclusive, passaram uma noite quase inteira reclamando que estão gordas e que eu sou magra, que eu posso comer, que bla bla bla. No meu auge de saraivisse, virei pra elas e falei:
– Eu tenho 1,75 e peso 57. É quase padrão de modelo. Tenho namorado?
– Não, mas… – elas responderam. Mas eu interrompi:
– Vocês são lindas, legais, e têm namorados que amam vocês do jeito que são. Façam como os namorados de vocês, se amem mais porque o padrão que buscam não é garantia de felicidade.

Entenderam? Não que a gente tem que se sentir bem para os homens apenas. Mas, quando tem alguém para concordar com nosso amor próprio é muito mais fácil né? Quando alguém nos elogia na parte física não é mais fácil de acreditar? Pois então, eu tenho que acreditar sozinha, elas têm um apoio diário. E ficam procurando infelicidades desnecessárias, nessa vida que já é cheia de coisas chatas, não é mesmo?

A calça não serve? Acredite, você vai ficar melhor em uma de número maior! Qual o problema (só vejo o econômico, perder roupa e ter que comprar outra)? Eu também perdi quando emagreci, quase um guarda roupa todo! As pessoas, e mesmo as marcas, tem preconceito com números maiores… F*** OFF!

Decidi escrever esse post depois de ouvir mais um apelido típico das magrelas e de ver na Oficina o link deste blog de estilo pessoal. Ela é bonita e estilosa – um exemplo para magras, gordas, altas e baixinhas. O importante é saúde e ser legal com todo mundo, gente. Preocupação com a carcaça é dor de cabeça a mais.

A francesa chique do Big Beauty

8 opiniões sobre “Momento Oprah: seja você mesma, dane-se o seu peso!”

  1. Oi Márcia td bem ? Meu nome é Melissa e sou sua vizinha de blog. Eu achei bem bacana esse post e você levanta uma questão que eu sou super a favor. Tenho até um post no meu blog a esse respeito (Conselhos de Clarice.)Eu lutei a minha vida inteira com a balança e agora desencanei de vez. Claro que se a gente pode melhorar pq não fazê-lo ? Mas sem paranóia. Ser bonita é a gente se sentir bem e em paz com o que somos por dentro e por fora…o resto é resto !
    Abração e boa semana !
    Melissa

  2. Mas vc não é magra demais, vc eh linda e gostosa… arrasante, rs!

    Beijos, te vejo na terça!

  3. Marcia, adorei seu post.
    Acho que as pessoas não pensam muito por este teu lado, o lado “das magrinhas”. Apontam o dedo (eu sou uma delas! haha) e dizem “tá magrinha, tá feliz, tá tudo bem” e por vezes não é bem assim…
    Esse é o mal da indústria da moda: os estereótipos, as pessoas com pensamentos tombando pro lado da magreza. Não é à toa que gongaram tanto Karolina Kurkova no SPFW, por causa das supostas gordurinhas a mais. Se eu tivesse o corpo com as gordurinhas a mais dela, estaria feliz pra caraaaamba! hahahaha
    Beijos!

  4. Oi Márcia!!
    Adorei o post, faço parte da turma das magrelas desde de sempre e pode parecer estranho para algumas pessoas, mas é difícil também. Não me encaixo no estereótipo nacional, não sou cheinha, não sou gostosa, não sou modelo, sou apenas magrela. Hoje, depois de começar a me informar mais sobre moda e conhecer mais meu corpo não me importo tanto, mas as vezes ainda é difícil.
    Abraço e boa semana
    Denila

  5. Oi Márcia, sempre leio seu blog, mas hj me senti “necessitada” de comentar. Sou a favor da libertação das fôrmas e assumir as formas!!!
    Sempre fui mto magra, e isso me desagradava a ponto de um depressão, e era acusada de querer ouvir elogio qdo comentava isso com uma amiga, uma vez que elas achavam que eu tinha o corpo perfeito. Hoje eu engordei 10 kg, assumi meus cachos e sou super feliz com as minhas formas!!!

    bjs Dani

  6. Noossa! Me identifiquei demais com o post!
    Passei a vida inteira sendo chamada de magrela, olívia palito, seca, magricela, taquara… É triste! Pior ainda é ouvir as amigas reclamarem do peso, da pele, das roupas de tudo e quando você abre a boca pra dizer um ai tem que escutar: Mas vc é magra, não pode reclamar!
    Como se ser magra fosse a única coisa importante na vida. Sem falar, que eu já cansei de não poder comprar uma calça jeans porque não existe menor do que tamanho 34! Pra quem usa o 42 sempre tem o 44. Isso me faz pior que as gostosonas? Não, só diferente! Beijão, amo seu blog!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s