Lady Gaga, who?

Nos últimos posts, tenho demonstrado um certo saraivismo e posição às vezes leveeeemente antipática com a moda, né? Bom, nunca escondi que era Saraiva!!! hehehehehe! Sou bem bronquinha mesmo, mas não sou do contra à toa – tudo tem seu fundamento.

Uma das minhas implicâncias é com a Lady Gaga. Coitada, deixa ela ser feliz, mas não vejo nada de genial nela, porque não acho que montação seja algo inédito no showbizz e porque é quase evidente que ela é um produto da gravadora – quem já viu fotos dela antiga pôde perceber a mudança gradativa de uma Alanis Morisette dos teclados para uma Bjork sem originalidade. Sim, eu to ácida! Me deixa que eu to de bode!

Querem ver como na história da música brasileira (não precisamos ir muito longe…) podemos encontrar figuras bem excêntricas?

Carmen Miranda, vou colocar aqui como nossa primeira figura exótica – mas levando em consideração o período antes de virar estrela de Hollywood, porque lá ela não criava seus figurinos e chegou a um nível de exuberância kitsch. Da época do filme Banana da Terra até a hora em que embarcou para algumas apresentações em terras yankees, Carmen, que antes se vestia de mandeira “normal” nos shows, passou a se vestir com a famosa fantasia de baiana, com frutas na cabeça e cheia de balangandãs.

Achei esta foto na Bravo! especial dos Beatles e achei maaaaravilhosa, as cores, o contraste. Em technicolor! Os Mutantes, além das experimentações musicais e das letras irreverentes, causavam com seus figurinos de show. Rita Lee chocou o Brasil careta (e sua própria mãe, segundo o livro A Divina Comédia dos Mutantes) ao aparecer em um Festival da Canção vestida de noiva grávida (barriga cênica, claro!). Eles se apresentavam de menestréis medievais e com outros figurinos estranhos.

A própria Rita, na sua carreira fora dos Mutantes e até hoje, é bem ousadinha no quesito figurino (e em tudo né? ÍDOLA, RAINHA, DIVAAAA!), como podemos ver nesta foto de 78.

Depois que voltaram do exílio em Londres, Caetano e Gil vieram cheios de idéias estéticas mudernosas que podemos ver no figurino beeeeeeeeeeeeeeem estranho que usavam nas apresentações do Doces Bárbaros. Quando eu vi esta foto, achei que o Caetano fosse o de branco, JURO! Mas ele é o de amarelo. Androgenia + índio + África + futurismo + misturada da Bahia… adoooro!

Acho que um dos fenômenos da nossa música mais sui generis foi o Secos e Molhados. Tem coisa mais moderna que homens pintados, com roupas absurdas e com o Ney Matogrosso (deus!) cantando com voz de falsete e rebolando sensualmente?

Gente, o Brasil estava sob uma ditadura militar, como estes artistas (menos a Carmen, mas se bem que ela pegou a época da ditadura do Estado Novo) acima conseguiram fazer algo tão incrível e nós, absolutamente livres, não produzimos mais nada de novo, de inusitado, de “divinomaravilhoso”?

Talvez porque estamos ligados de mais em Ladies Gagas da vida… não?

Anúncios

20 comentários em “Lady Gaga, who?”

  1. Preciso dizer: AMEI!Nada de bode,você disse tudo e algo mais: como a gente com toda a liberdade não conseguimos produzir algo de divinomaravilhoso,mesmo com tanta inspiração e cultura riquíssima?E Ney Matogrosso é DIVO.Tenho dito demais.parabéns,quero ver você de bode mais vezes se todos forem iguais!haha
    Até que curto as loucuras da lady gaga,diverte,mas não é original..sabe?
    beijo!

  2. Concordo em gênero, número e grau!!! e já te disse e vou repetir: tira essa referência “uma jornalistazinha de nada”! Vc é muito boa!

  3. E ainda digo, o que seria dela sem essa montação toda? A música está fazendo um caminho às avessas, onde a roupa fala mais que ela, uma troca incoerente, já que a roupa na maioria das vezes não dialoga com o que está sendo cantado, é apenas apelo sexual, ou algo pra chocar(vazio)ou comércio de griffes. E ainda tem o fator de todasd cantarem iguais e a mesma coisa.

  4. B-A-F-O esse post, sua jornalistazinha só metida a nada. É aquela velha mania dos gringos serem muuuuuito melhores. Não que Rita Lee, Novos Baianos, Carmem e Ney não tenham sido reconhecidos. Foram e continuam sendo, talvez aí esteja o problema. Que brazuca mais é hoje em dia? Aí temos que meter Gaga goela adentro. Porque o showbusiness precisa de alguém preenchendo esse espaço e se Brit tá passada, Rhianna uó, Byonca ok, Madge tia, Mika dead, Ney e Rita low profiles, Caetano massificado, Bethânia diva e reclusa, Gal perdida e Gil sei lá, bom, cadê mais meu pai?

    Vamo formar um coletivo de blogueiras embucetadas? A gente se monta, monta uma banda, bota uns sons estranhos aí e, quem sabe, não seremos nós assuntos de blogs bodeados? Hahaha, só rindo né friend!

    Saudade. E tô chocada com o “assim, meio clarice” até agora. Não sei se fico feliz ou se acho que vc tá pirando de vez!

    Bejoca.

  5. Genial!
    Absolutamente de acordo!
    Fico boba de endeusarem a Lady Gaga como a inventora da roda sequer mencionarem Eddie Sedgwick, musa de Andy Warhol
    adorei o blog

  6. Amém, finalmente alguém falou!! Eu olho, olho e não vejo nada nessa pessoa, sim, deixa ela ser feliz sim, mas eu não preciso gostar né??
    Beijos, adorei seu blog!!

  7. Caramba tava começando a me achar tipo a estranha-no-mundo, só hj já li uns 2 post endeusando Gaga. Aí eu penso: será que eu sou a única que não acha que ela é um gênio? Legal saber que não ^^

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s