Patti Smith – a musa

Dando continuidade aos meus posts sobre o casal mais lindo do mundo (to apaixonada e tendenciosa), vamos falar sobre Patti Smith.

Antes de ler seu livro, eu não sabia muito dela. Sua imagem jovem, bem andrógena, era de certa forma uma referência porque me lembrava a PJ Harvey, que eu adoro. Cheguei a baixar algumas músicas suas como Because of The Night e sua versão pra Hey Joe, e sabia que era conhecida como Poetisa Punk. Só isso.

No livro, conheci uma artista sensível, uma mulher tímida e cheia de questões e anseios que eu também tenho. Seus ídolos eram Rimbaud, Bob Dylan, os Stones e The Doors. Gostava de arte e de desenhar.

O que eu achei interessante na sua trajetória é que ela não sonhava – ou pelo menos não demonstrou isso ao escrever o livro – em ser cantora, uma rockstar. Simplesmente aconteceu. Seus amigos, principalmente Robert, incentivavam a declamar suas poesias, que logo viraram performances com música e daí pra uma banda, foi um pulo.

Quando brinquei no outro post que Patti e Robert deveriam ser um casal estranho de se ver porque ela parecia um menino desnutrido, falo de seu estilo bem andrógeno, que ela mantém até hoje, aliás. No livro, ela sempre descreve suas roupas e me parece muito ligada ao seu estilo – não uma fashionista, é óbvio, mas alguém muito consciente do próprio gosto e imagem.

Além das roupas masculinas, Patti também aparecia com vestidos em estilo meio vitoriano que, pelas poucas imagens que achei, tinha um estilo meio Vandinha Adams hahahaha.

Percebo em muitas cantoras de hoje a força da influência dela. A mais óbvia e até a mais fisicamente parecida me parece ser PJ Harvey. Mas acho que poderíamos citar também Charlotte Gainsbourg, Cat Power, Feist e, vai, uma quê na Marina Lima. Li também uma matéria na Vogue passada que a Alisson Mosshart, do The Kills, também tinha Patti como musa.

O mais engraçado foi que, enquanto eu lia o livro, marquei corte de cabelo, cheguei pro Fábio, meu cabeleireiro amado e disse: faça como quiser. E não é que ele fez um corte muito parecido com um que ela descreve no livro como fez? Ela viu uma foto do Keith Richards e picotou o próprio cabelo. Morri de orgulho da minha coincidência de fã:

Algumas imagens pra se inspirarem também:

 

Uma opinião sobre “Patti Smith – a musa”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s