Blogueiras: mais um post

Mais um post imenso sobre blogs de moda. Quem vem comigo até o final?

Que blog de moda está na moda, todo mundo já sabe. Comentar sobre o fato dos blogueiros mais famosos dividirem as filas As dos principais desfiles com editores de grandes publicações já é papo antigo. Mas resolvi voltar ao assunto depois de ler essa matéria no NY Times sobre bloggers que contratam empresas ou profissionais para agenciar e organizar suas carreiras.

Acho que chegamos num ponto em que a profissionalização dos blogs não tem mais volta. Explico: antes, a gente discutia se os blogs deveriam ou não se profissionalizar. Agora, acredito que esse debate não vale mais porque aqueles que o fizeram não vão voltar atrás e, no rastro deles, virão outros tantos querendo ganhar seus trocados. Mas ainda acho válido refletirmos sobre tudo isso que aconteceu (tão rápido) e os próximos passos.

Acho muito legal a força de vontade e a coragem de quem se aventura nesse tipo de empreendedorismo virtual: de transformar seu blog em fonte de ganho, de se tornar blogueiro profissional. Eu mesma não tenho paciência pra isso, não tenho o menor talento pra empreender, para ser chefe e pra cuidar de finanças. Eu e a muitos, já que, como explica a matéria, alguns nomes internacionais estão entrando para grupos que são responsáveis por cuidar de toda a parte “chata” da profissionalização.

Se antes, na época em que as pessoas começaram a ganhar dinheiro com seus blogs, a gente já discutia a perda das duas principais características dos blogs (espontaneidade e independência), com a entrada desses agentes, essa discussão vem à tona novamente, com mais força.

O blogueiro e celebridade Bryan Boy

Fico pensando até quando é interessante para o público ter nos blogs a mesma lógica mercadológica das revistas, só que com conteúdo produzido por pessoas que não são profissionais de moda e nem têm experiência nesse mercado (90% dos casos, podemos chutar?). O mais legal dos blogs era, justamente, a nossa proximidade com quem fazia. Pessoas que tinham acesso às mesmas coisas que nós, que podiam falar livremente sobre produtos que encontrávamos nas vitrines. Será que lendo o post de uma menina recém-saída do colégio sobre um desfile de Paris eu aprendo alguma coisa? Sim, aprendo como uma pessoa semi-leiga vê um desfile de moda. Prefiro ler Suzy Menkes para aprender.

Alguns blogs acabaram tornando-se sites bem equipados e organizados com essa profissionalização, concorrendo em qualidade com portais já estabelecidos. Acho esse formato mais interessante. O que me parece, no entanto, é que muitas marcas não querem essa mudança de perfil. Querem ainda a figura da BLOGUEIRA como garota propaganda, chegando a forçar, de certa forma, pessoas que queriam investir seus tempo e dinheiro em projetos maiores e menos pessoais a voltarem atrás. Porque isso vende mais do que aparecer em uma matéria num site.

Assim, algumas dessas meninas (e meninos) alcançaram o status de celebridades e estão começando a pegar as mesmas manias. E não as manias daquelas celebridades mais low-profile, mas sim num estilo mais “ex-bbb recém saído da casa”. Acho isso tristíssimo. Perdi a vontade de ler muitos blogs que antes eu adorava. Qual a graça de ver os looks da Betty atualmente, por exemplo? Queria ver a menina real, que mostrava as roupas que ela mesma comprava e escolhia. Sei que o número de visitações desses sites me contradiz, mas estou apenas expressando minha opinião como de quem estuda o assunto, de leitora voraz de sites e blogs, e de blogueira (totalmente oldschool, mas sou).

 No Brasil

Aqui ainda temos um caso mais peculiar. A maior empresa que cuida das carreiras de blogueiras e de seus blogs é também uma agência de comunicação e uma das principais assessorias de imprensa de moda do país.

Sei que posso dar um tiro no pé escrevendo isso, sendo eu jornalista e assessora de imprensa (o mundo dá voltas e daqui a alguns anos eu posso acabar pedindo penico lá, né? Vai saber…), mas ainda prezo muitíssimo por expressar aqui minha opinião muito sincera sobre o mercado. Mas não é muito estranho uma empresa de comunicação ter seu próprio grupo de comunicação que reúne os blogs de moda mais lidos do país?

Eu sei que os blogs participantes são independentes no conteúdo, mas é claro que os clientes da agência devem ter certos benefícios. Lá fora, a relação entre jornalismo e publicidade no mundo da moda é um casamento intenso e loucamente apaixonado: as marcas que aparecem em editoriais são os anunciantes da revista e ponto final. As assessorias de imprensa são, inclusive, envolvidas nessa negociação. Em 5 anos de formada, nunca pediram algo do tipo pra mim porque, no Brasil, isso ainda não é muito bem visto e, quando tem, é muito velado. Uma das principais editoras do país chega a demitir funcionários se essa prática for citada ou descoberta (pelo público).

Mas na moda, não sou hipócrita em não admitir, é menos sério que o conteúdo editorial seja vinculado ao publicitário como em economia, por exemplo. Vamos sem francos: ninguém vai fazer caridade. Toda a lógica do mercado, da produção à sua divulgação é: vender roupa/acessórios. Não vai afetar fortemente a vida do leitor se a marca tal estiver no editorial da revista X, e a outra marca não estar. Além disso, os veículos vivem de anúncio e pagam os jornalistas (muito mal, vale dizer) com isso.

No fundo, essa lógica é meio maluca: se o cara já está na revista em 20 mil páginas de anúncios, porque precisar estar nas matérias? Porque a voz de um editor, stylist ou jornalista de moda tem mais peso do que a própria grife falando dela mesma.

É essa lógica que funciona agora com os blogs. A blogueira X dizer que gosta do rímel tal vale muito mais do que o rímel anunciar em um banner no blog. Só que assim, a blogueira deixa de caçar produtos em farmácias e lojas, testá-los e contar para as leitoras o que ela achou de cada uma. Por que ter esse trabalho todo de graça (e pior, ainda gastar $$$ com os produtos) se ela pode receber de uma marca?

Só que quem pensa assim não é blogueiro porque tem o “bichinho” do jornalismo, mas sim para ganhar vantagens. Acho que o caminho do meio para quem quer viver do blog sem perder a qualidade e o diferencial dos outros tantos veículos é fazer seu publipostzinho lá, mas nunca esquecer que o mais legal é mostrar o diferente para seus leitores. Sei de um monte de blogueira que manteve esse espírito e por isso o blog é tão bom (mesmo que dentro desse grupo que mencionei acima hahaha).

Porque assim funciona com os bons jornalistas profissionais também. Ou como vocês acham que dona Anna Wintour lançou tantos novos talentos? Com certeza eles não eram assinantes da Vogue America. Jornalismo, meus caros, seja ele impresso ou online, não serve pra vender produto (mesmo que às vezes o objetivo dos veículos seja, no fundo, esse). Isso a gente deixa com quem escolheu ser publicitário. Jornalismo vende novidades.

Vamos refletir!

adendo: Acho que a postura de algumas marcas (e agências também) é mais questionável do que a postura da blogueira. Mas marca quer vender seu produto e o blog é uma forma muito mais barata e vantajosa pra eles, como citei lá em cima. O objetivo do post não é culpar apenas blogueiras, mas provocar reflexão da postura. Profissionalizar também é valorizar o próprio produto e não se submeter a práticas muito mais vantajosas para marcas que já faturam tubos de dinheiro. Quando um blogueiro se desvaloriza, enfraquece a classe. Vamo que vamo!

22 opiniões sobre “Blogueiras: mais um post”

  1. Concordo com essa ideia de que blogueiras patrocinadas perdem a naturalidade… acho que isso já aconteceu com muitas e tb acho que deve ser difícil para elas não ficar “refém” dos clientes da sua “assessoria”… enfim, o blog acaba virando mais um veículo que depende de publicidade como outro qualquer, o que é triste! Mas os bons e originais vão continuar independentes da maneira que conseguirem, vamos acreditar nisso🙂

    1. com certeza! ainda tem muita coisa boa pra ler por aí. muitos são ótimos mas eu não sou leitora porque acho que são voltados mais para pessoas que não estudam ou trabalham na área. mas são mto bons. enfim… espero que não se rendam
      bjs e obrigada pelo comentário

  2. vejo a vic ceridono (do dia de beauté) incluida na frase “sei de um monte de blogueira que manteve esse espírito e por isso o blog é tão bom.” apesar de sempre comentar marcas, dá pra ver que ela tem a essência, o amor pelas coisas que ela mostra!

    1. na verdade, não considero a Victoria blogueira porque ela é jornalista da área antes de ter um blog. Ela sempre cobriu beleza, desde a época do Chic. Então acho que essa lógica nem se aplica muito a ela. E sim, acho ela excelente (além de super simpática). Tanto que chegou aonde chegou, como editora de beleza da Vogue Brasil.

  3. visito varios blogs QUE SEI que são puro marketing, porque algumas coisas deles me inspiram. mas na minha opinião o melhor blog de estilo do Brasil se chama OFICINA DE ESTILO. http://oficinadeestilo.uol.com.br/blog/ Lá é falado de assuntos reais, ótimo pra tirar dúvidas, ao contrário de outros que SÓ MOSTRAM O QUANTO A BLOGUEIRA X TEM DINHEIRO!🙂

    1. Ah, da Fe e da Cris eu sou suspeita de falar hahahaaha. E o mais válido do Oficina, pra mim, é que elas são independentes até hoje.

      bjs e obrigada pelos comentários =]

      1. Encontrei o teu blog exatamente neste blog, Oficina de estilo, e queria te dar os parabéns. Além do blog ser legal, ter dicas diferentes, gosto da maneira que você se expressa, com certeza consigo te conhecer muito mais através do que dizes do que do que vestes. Achei interessante sua posição de fazer com que nós, visitantes, leitoras e admiradoras de blogs, tenhamos a oportunidade de pensar além daquilo que é colocado. Moramos no Brasil, a realidade é bem clara, a maioria das leitoras não tem dinheiro pra torrar em coisas tão caras como apresentam as blogueiras de hoje em dia, e mesmo as coisas que estão nas ‘gringa’ são muito mais baratas quando vendidas lá fora do que quando entram no país. Morei na Europa por um tempo pra fazer Universidade e conheci muitos países. Diferente de me encher de coisas pra comprar (economizava até na comida, imagine), gostava de observar como as pessoas do local se portavam. Dependendo do lugar e do país, muitas garotas da nossa idade se vestem muito bem, mas nunca estão preocupadas com esse lance da tendência ou do que se está usando, o estilo é próprio. É só acessar o site lookbook pra perceber! Na minha opinião as brasileiras vestem muito ‘produção em série’. Legal tu teres dado a tua opinião de um jeito tão bacana, acho que precisamos de mais blogueiras assim. Talvez uma hora eu faça o meu também, assim trocaremos figurinhas. Um grande abraço.

  4. Concordo plenamente!

    Tá cada vez mais difícil confiar nas resenhas dos blogs pq alguma parecem puro merchan.

    Os blogs que gosto e confio são os que falam o que pensam do produtos (mesmo os que são recebidos), ainda que a opinião seja negativa.

    Acho importante manter certa independência ou vão virar apenas mais um local de anúncios.

  5. Muito interessante a matéria. Eu tenho um blog, que antes era de coisas que passavam na minha cabeça, hoje é de moda e beleza, mas amanhã não sei do que vai ser.
    Eu escrevo prq amo, apesar de não ter formação em jornalismo, é a única coisa coisa que sei fazer e gosto, me arrependo de não ter lutado por desenvolver esse “bichinho”.
    Por isso meu blog acompanha o que tá acontecendo na minha vida, minha vontade do momento, prq ele é MEU blog. Faço pra todo mundo ler, mas o objetivo é que leiam aquilo que sai da minha cabeça.
    Até gosto dos blogs que parecem editoriais de moda gringos, prq aí não tenho que sair em busca deles, mas o blog que tem a cara da blogueira “não tem preço”. Além disso, eu não estou no exterior toda semana, nem ganho alguns milhares de reais de salário, portanto não tenho qualquer acesso aos produtos e marcas do momento, os quais gosto de conhecer, mas que não aparecem no meu blog, ele é fraquinho.

    Márcia, adorei conhecer essa parte sua aqui!
    Sucesso!

  6. Olá Márcia, tudo bom???
    Foi através do Twitter que encontrei seu blog, confesso que adorei o texto e compartilho com sua opinião…
    Sempre adorei o mundo dos blogs por achar um espaço onde os principais personagens eram pessoas reais que mostravam para pessoas reais coisas sobre o dia a dia, sei lá, mas não tenho saco para novelas, prefiro acompanhar o dia a dia de alguém que assim como eu enfrenta problemas, busca inspiração para se vestir, quer uma casa linda e decorada e ainda arrasar na cozinha…
    Frequentava diariamente blogs de pessoas que admirava por entrar em farmácias para descobrir produtos novos e davam dicas, pessoas que buscavam nas lojas de departamento acessórios e roupas tendencias da estação…essas pessoas para mim, muitas vezes fonte de inspiração. Mas tenho que confessar, está cada dia mais raro espaços assim…tenho a impressão que os blogs estão virando novelas, que aquilo tudo é encenação, que elas falam aqui por serem pagas para falar…não sou contra usar o espaço de um blog como fonte de renda, mas daí fazer dele fonte de alienação é demais… Desculpa o desabafo, não sou jornalista e nem muito menos uma entendida sobre o assunto, falo apenas como uma leitora de blogs que se sentiu a vontade para falar, afinal, somos nos quem movimenta os espaços dessas blogueiras.

    Boa noite e parabéns pelo texto!

  7. Oi Márcia, vejo este post como mais um presente para suas leitoras, para fazer o povo pensar, e eu me incluo nessa. Muito legal ver um texto bem escrito, bem pensado, claro e objetivo. Parabéns pela coragem de falar o que sente, sempre. Beijos.

  8. Essa história toda é mega confusa e minha cabecinha — que já não é da mais sã — pira. Eu confesso que nem opinião formada tenho mais, mas quero compartilhar aqui uma história (nem é pra mostrar o lado da blogueira, é só desabafo mesmo).
    Tem uma marca carioca que entrou em contato comigo (cheia de amores) logo após eu ter dado uma nota sugerida pela assessoria. Me presentearam com a peça (no meu bday) e criamos um relacionamento legal sempre com a conversa de fazemos algo juntos. Alguns meses se passaram e eu na vontade de fazer uma seção nova no Modices que precisaria de patrocínio para arcar com as despesas extras (incluindo outros profissionais). Fui eu então atrás desta marca tão querida que anuncia nas principais revistas de moda do país (logo, pensei eu, aquela quantia irrisória da proposta de patrocínio não iria ser nenhum rombo na verba de marketing). Apresentei o projeto e sabe qual a resposta que eu tenho? Ah então a gente não tem dinheiro e prefere manter um relacionamento mais pessoal te dando umas peças e você usando nas semanas de moda por aí.
    OPA! Então, perae… na revista que tem a mesma audiência que eu você pode gastar 5x o valor que eu pedia mas um blog de uma pessoa só não vale a pena o investimento? É super interessante aparecer sim, mas só em troca de uma peça aqui e acolá?
    Será que acham que toda blogueira é filha/esposa de homens milionários? Que toda pessoa que resolveu criar um blog e fazer disso sua profissão não tem contas (de aluguel, luz, água, celular, internet e prestação das Casas Bahia) para pagar e pode dedicar 16h do seu dia só para ganhar peças grátis?
    É foda ter que lidar com este tipo de coisa. Por mais que na faculdade eu odiasse jornalismo (e jornalistas) acho que sempre existiu dentro de mim esse “bichinho”. Chego a achar que sou uma das últimas românticas desse oceano de bytes. Mas quando a gente se depara com este tipo de coisa o romantismo se perde, a gente vai endurecendo e aprendendo a jogar como o velho capitalismo ensina.

    1. Carlota, quando eu menciono os blogs grandes que se esforçam pra fazer coisas legais, eu falava d vc, tá? hahahahahaha

      é um absurdo mesmo, como eu disse, para as marcas, é muito mais fácil ficar nessa coisa falsamente pessoal da blogueira. o que me impressiona é que as pessoas se submetem a isso – talvez porque, como você mesma disse – a maioria é rica e os trocados que ganha no blog não pagam conta da casa. as marcas estão GANHANDO VANTAGEEEEM! gente, pensa o quanto esse povo fatura e o pouquíssimo que paga pra você ajudá-lo a vender. surreal!

      mas, no fundo, quando se submetem a esse esquema, enfraquecem toda a cadeia. uma pena. mas não desiste não hahahaahahahah

      bjs

  9. Ótimo texto! Sou leitora de blogs e as vezes tenho a impressao que algumas blogueiras perdem a mão e usam o blog pra se mostrar, se autopromover ou se autoafirmar, nao sei… ostentam demais com marcas de luxo, viagens para a Europa, restaurantes caros e etc. E para manter tudo isso claro que precisam fazer propaganda nos posts. Acho que muitos blogs perderam a finalidade…

  10. Tenho saudades de quando blogs de modas eram feitos por gente com boas idéias e vontade de dividir seus pensamentos e não apenas gente querendo mostrar a variedade de seu guarda-roupa…

  11. “Sei que o número de visitações desses sites me contradiz”

    Claro Márcia, o número de visitas é inversamente proporcional ao que as pessoas têm na cabeça. Posso parecer radical, mas quanto mais famoso um blog, podemos ver que mais besteiras são escritas (quer dizer, fotografadas, porque a maioria não têm nada para falar) e mais pessoas que não tem nada na cabeça estão adorando. E acho que além da falta de conteúdo, o pior é a falta de sinceridade. Eu adorava diversos blogs, por mais fúteis e bobos que fossem, pela sinceridade, do tipo “comprei esse produto é bom”; “olha que legal essa novidade”, às vezes as futilidades são um passatempo legal, mas para que entrar nesse mar de futilidades ainda por cima mentirosas? Pagas pelas marcas? What´s the point?!

  12. MARCIA, VC DISSE TUDO O QUE EU ANDO TENDO VONTADE DE FALAR!!!!
    Como o meu trabalho é de relações públicas eu leio muitos blogs sempre em busca de gente bacana. Mas a coisa está dificil!
    Looks do dia comprados pela marca,(tem uma garota q só veste 3 marcas, não tem jeito, no maximo a mocinha põe um ou outro item fora dessa lista). Alias… os looks do dia estam cada vez menos inspiradores, mais obvios e sem graça, meio apelo de menina rica narcisista!
    Meu dia passando de blog em blog é uma frustração continua com pequenas e gratas surpesas que aparecem como estrelas cadentes, chegam rápido me deixando feliz mas em 2 minutos desaparecem, se apagam no céu.
    Queria muito que as blogueiras estudassem mais, se especializassem mais e passassem informação de qualidade, sem tantos erros de português (desculpe pelo meu que anda bem inferrujado); e que finalmente tivessem consciencia que milhares de pessoas lêem os seus blogs e as vêem como modelos, tornando-se formadoras de opnião, o que é um fardo arduo.
    Beijo e ADOREIIII!!!!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s